quinta-feira, 14 de maio de 2015

Laís



Não é pelo lance absurdo
Que guarda a beleza na face.

Mais seria pela poesia do olhar
Ou o sorriso que revela a alma.

No fundo ela é matéria da delicadeza
Burilada com a palavra sob a pena
De Manuel Bandeira...

E traz em si manhãs solares
Tardinhas Rosa chuvosas
E noites sensuais...

Toda acesa a sua cabeleira
Tigresa, mulher...

Corpo nu na mata
Que habita o sono
De quem sonha com ela!
Habita o sonho de quem
Acorda com ela.

2 comentários:

Salvador Mocholi Mas disse...

E lindo seu poema, depois vou a escriver mais, agora tenho que aprender a subirlo. Beleza mulher.

Salvador Mocholi Mas disse...

Cuasi touda a tarde pra poder deixar meu comenterio¡E a primera vez que o faço, ya perdi dois comaentarios anteriores,sem saber subirlos, sera que seu poema llegou na minha alma?Destila sutileza e sensualidade, sencillez e auntecidade.E excitante, Por que no?E levo tanto tempo trebalhando sobre ele que, mais que do territorio dos sonhos, forma parte da minha realidade.Tal vez seja,como voçe bem diz,por la poesia do olhar ou o sorriso que revela a alma,que gostei de seu pensamento e as suas palavras. Seu peito acomanhou-me nesta torrida tarde mediterranea.E agora fico cansado e vou acaminar pensando em voçe´, seus cabelos encaracolados e as suas dolces palavras.No fundo,ela e materia de delicadeza, no fundo, ela dorme na mar Mediterranea.Disculpen meu portunhol,desde Valencia(Espanha),eu,Salvador, manda um abraço pra o povo brasileiro e um beijo sonhado pra Lais,poetisa do ambos lados do Atlantico. E escriva-me, por favor, minha linda rosa chuvosa¡Cae la noche...