quinta-feira, 5 de março de 2015

Nos arredores da palavra: meu centro!




Conto com a palavra
Para desenhar a mim
Indo em mim mesmo.

Indo,
Nisso de choro,
De riso.

Indo.

Até que saiba
Quando calar e
Seja a minha cena

A mais profunda
Verdade.

2 comentários:

João Vanderlei de Moraes Filho disse...

A poesia com o balanço das águas e a certeza do mar indo desaguar harmonias, em si maior, no poeta. Parabéns, belo poema...

Marlon Marcos disse...

Sem palavras. Só muito agradecer.