sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Sem os olhos de alguém

"Nós os poetas erramos, porque rimamos também
Os nossos olhos nos olhos de alguém que não vem"

Seria encontrar-lhe em mim.
Alguma cidade marítima,
que lavasse seus olhos
para que me olhassem
e lhe trouxessem
pelos portões gigantes
da minha espera.

Seria imaginar-lhe
ali em frente sem
roupas ou desistências
fazendo sentido...

Seriam meus olhos como
os seus me dando esperança...
Minha voz ventilando o tempo
para evitar calores,
minhas lágrimas e saliva
banhando-lhe o prazer.

Seria uma canção brasileira
Flecha certeira a lhe afetar...
A saudade feito carta escrita
à mão...
Suas fotos de mim escondidas
e as minhas esquecidas em
qualquer lugar.

Longe do mar de mim.

Perto da serra da desesperança.

Onde vivo sem enxergar.

Um comentário:

Carlos Barros disse...

Que beleza de poema!
Fiquei marejado..

Grande abraço, irmão!