terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Mãe Menininha

Iyá Menininha do Gantois

Ela nasceu em 10 de fevereiro de 1894 e veio a falecer em 13 de agosto de 1986. Um dos maiores símbolos da religiosidade do Candomblé; mãe sagrada de muitos filhos; senhora de muitos feitos - um mito. O povo de santo da Bahia e do Brasil lhe é muito grato, esta mãe de sabedoria invulgar foi uma das representantes sui generis do sacerdócio feminino nas religiões de matriz africana e saltou em qualidade, perfilou seu tempo, abrigou vários brancos oriundos de classes sociais abastadas e não perdeu os ensinamentos que lhe foram legados por duas outras rainhas: sua bisavó, Maria Júlia e sua Tia, Púlcheria de Oxóssi.

Hoje, ela faria 115 anos e sempre é festejada por sua comunidade do Gantois, governada, atualmente, por sua filha caçula mãe Carmen de Oxaguian. Cânticos devem ser entoados para a Oxum mais bonita - imortalizada por Caymmi, adorada por Maria Bethânia e Gal Costa - e sua memória continuará viva como deve ser historicamente em nome da presença dos valores religiosos deixados pelo povo negro de origem africana nesta nação brasileira. Axé, mãe. Motumbá!

Um comentário:

Signistas disse...

muito legal seu blog! Tenho uma peça pra fazer amanhã e estou ledo algumas coisas no seu blog e acho bem bacana como escrever-tes sobre a Yalorixá Mãe Menininha!