segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Um sorriso marítimo para habitar a vida


Da maneira dos cuidadosos pescadores: silentes, atentos, reverentes, sonhadores, crentes, abençoados, ágeis, vívidos e inteirados em sua necessidade do mundo feminino. Homens segredados ao mar, docemente corajosos e mansamente vorazes. Graça, sempre e desatino, às vezes; homens filhos de Iemanjá - alimento contínuo que preserva a alma, fortalece o corpo, faz a vida vibrar em seus elementos da mais profunda beleza. Homens de suas sereias encantando-se-nos nessa saga solar de sorrisos e danças e lágrimas e faltas e brilhos e amor à beira-mar.
Um toque para trazer sentido.O sorriso marítimo de uma sereia criança, filha da Deusa Maior, para habitar eternamente o interior da gente. Sonhar só assim: no âmago da possibilidade. Odô Iyá!

Um comentário:

Michelle disse...

Bebo tuas palavras, são alimento para minha vida (poesia, amor, doçura, verdade).
Silêncio para a grandeza de Vinícius, mas dedico Aquele poema a você. Te amo com paixão!