sábado, 12 de dezembro de 2009

Sofisticação


Em mim uma manhã calorenta com feição de falta, jeito de discórdia, fortes descobertas, pouco desejo, preguiça funcional, sem música mas com poemas, imagens mil, aquela fantasia, rezas, flores, aulas e amor. Isso de me reconhecer cotidiano e de sobreviver às minhas rotinas: como dói. Tenho um acordo com a fama, mas o que mais quero é o meu próprio abandono, intenso silêncio, isolamento. Filosofia máxima de Greta Garbo; a obscuridade de rostos sem nome - quero cheiro de gente simplesmente: um coração batendo, a vida levando sem perguntas, roupas sendo meramente lavadas, conversas banais e pesando mesmo, só a ânsia e a luta pela sobrevivência. Quero o mais simples de mim. Tão levemente respirar...
Uma manhã para cá bem dentro e eu dito por resolução. Desse meu medo de só existir e eu que tanto existo só e não me concebo fora disso. Tenho as imagens de muita gente em meus falsos carnavais. A turba barulhenta; coisas que ficaram para trás. Sorte no destino: coincidências familiares - encontros consanguíneos, presença do pai! Manhã inteiramente anti-festiva e eu não me nego a este luxo. Que a tristeza traga inspiração e nos meus fragmentos, mais que dor, persista criatividade.

3 comentários:

Michelle disse...

manhã vivendo lutando resistindo, contra os compromissos indesejados... assim nessa sofisticação de ver o tempo passar, responder às necessidades vitais, banhar-se de música e poesia... seguimos juntos, da maneira que for...

rai disse...

Lindo!Marlon meu amigo, você é MARAVILHOSO!só agora descobri o seu blog, mas saiba que vibrar por seu sucesso é uma constante em minha vida.Bjs, Raimunda, duplamente colega,rss.

Marlon Marcos disse...

Que, saudade Raimunda e que alegria tê-la por aqui! Abraços.