segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Maria Bethânia: para além dos dias


Ela continua. Perfaz rejeições e aceites e vai para além de si mesma, pagando caríssimo, consolidar sua presença viva como mito. Um acinte para os modelos estabelecidos; em mais de 45 anos de carreira, sua única certeza é se ver inteira naquilo que escolheu. E canta fazendo poemas, criando instantes literários nos ouvidos brasileiros. Fragmentos raros na composição do que se conhece como espírito baiano; voz-alavanca que alça seus ouvintes à carne crua do viver, quando não, às divindades que se tem devoção...
Ela não se insinua; simplesmente é: a cantora! Uma das presenças mais criativas no fazer artístico deste País. Mulher- pássaro que reinventou a paixão e faz da canção navalha pirraça luz entrega movimento amor oração e fé.
A luz desta mulher encerra as vãs explicações dos entendidos de música, subverte os cálculos musicais para restituir à arte sua fragrância mais profunda: sentir.
Consolida aos olhos de quem a vê os fluidos da misteriosa beleza, a real e eterna beleza de quem veio ao mundo fazer o que só ela, Maria Bethânia, através de filmes discos e Palco, sabe e pode.
Estranha forma de ser, que hoje, entre nós, é a melhor identificação para milhões de almas brasileiras.
Amém.

Um comentário:

Carlos Barros disse...

"navalha pirraça luz" é uma expressão linda: bem ela, mesmo. E eu me coloco frente a este espelho luminoso.
Irmão que traduz ela.
Abração!