terça-feira, 1 de junho de 2010

Maria Bethânia: eu sei que é junho!

Maria Bethânia


À espera da alegria e suas trocas e seu toque e o possível real do que se encontra na vida. À espera da música brindando à poesia. Uma voz que nasceu em junho e aquece os brasileiros contra o frio da mediocridade. Voz que delineia alvoreceres e é poder. Mágica xamânica em corpo de mulher. Ostentação artística: a palavra perfazendo as sonoridades da paixão. Vermelho inteiro no caminho da mulher de branco. Ela mina. O ar da sua chegada é fogo. Seus olhos se iluminam e fazem composição. Sua fala é livro. Récitas que vigoram este idioma. Pássaro que renasce e fruto inconcluso em muitas caminhadas. Sendo que, em algumas paragens, sua marca inventa a perfeição.

Um comentário:

saidel disse...

Bethânia, chama que não economiza nenhuma fagulha ao cantar e ao se mostrar por inteira.Sempre entregue ao seu canto, aos seus sentimentos, aos seus textos sagrados, aos seus candeeiros de cristal. Textos que a traduzem, junto com as canções, que proferindo belezas, nos fazem mergulhar no profundo cerne do infinito.Bom gosto não lhe falta na escolha do que cantar ou dizer. Mulher que não se afastou da menina, que um dia passeava pelas ruas de Sto Amaro,com roupas coloridas, sonhando em ser trapezista.Em ser artista.Mas não uma artista comum, de concessões baratas para aparecer na mídia.Longe disso:ser uma artista para honrar e agradecer ter recebido de Deus o dom de poder se expressar da melhor maneira possível, que é cantando com sinceridade, ciente da responsabilidade do seu ofício.Seu canto não é oco, sem razão.Tem sempre uma intenção, que também é hastear no mais alto a bandeira da liberdade.Liberdade de ser.Luz. Aquários fundos, cristalinos.Sabedoria! Salve a "Senhora do Vento Norte"!!!