sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Comigo

Eu quero me dizer o quanto preciso de mim e que sair à procura de outros é meu traço profundo de auto-traíção.
Eu quero dizer que sem mim não vivo e que me suporto ao banheiro, bêbado, insone, intranquilo, amedrontado e fugindo do inexorável real: eu nasci comigo, ficarei sempre comigo e morrerei assim, ao meu lado centro dentro sem saídas...
Eu quero dizer que também sou de partilhas e me comunico na ânsia de dar amor. Meu destino de mim para mim é o âmago do amor que sinto e dedico ao outro... É estando eixado eu no meu próprio convívio, me alimentando na satisfação da minha presença, que saberei me dar ao possível ato de amar de fato alguém... Eu sei estar comigo e é isso que nunca me deixa só.
Marlon Marcos
"A liberdade é a possibilidade do isolamento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo."
Fernando Pessoa

3 comentários:

Michelle disse...

isso me trouxe lágrimas nos olhos, porque é um texto muito lindo. você já tem a sua identidade de poeta, e é dos grandes, dos bem grandes...

Marlon Marcos disse...

Mi,

Vc me comove profundamente: eu tenho uma leitora de qualidade bem acima do desejável. Uma honra pra mim, viu? Vivo para minha escrita terapêutica. Te amo!

bentocasmurro disse...

Adorei: "Eu sei estar comigo e é isso que nunca me deixa só". Apesar da melancolia do texto. Grande, Marlon!