segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Dina Sfat: 20 anos de falta!

Dina em "Gabriela"

Ontem o Fantástico me prestou um grande serviço: me fez rememorar uma das presenças mais enigmáticas e fortes que a dramaturgia televisiva já teve: Dina Sfat, falecida em 1989. Ela era a própria contradição. Bela, misteriosa, talentosa e valente. Seu último papel foi na inovadora Bebê a Bordo, quando ela se despedindo da vida, não deixou de iluminar o horário das sete com seus olhos negros de expressão e verdade. Lembro dela em Gabriela, uma das minhas novelas inesquecíveis, eu era quase um bebê e já assistia, ela, Sônia e Elizabeth Savala, roubavam todas as cenas pra mim! Viu que há felicidade?


Para se homenagear uma estrela eterna do Brasil, o Rio de Janeiro faz exposição, no texto abaixo:

"Exposição fotográfica marca 20 anos sem a atriz Dina Sfat

Estrela do teatro, do cinema e da TV, Dina Sfat fez muitos trabalhos aqui no Fantástico. São 20 anos sem Dina Sfat. Na memória eletrônica do Fantástico, estão personagens inesquecíveis da carreira da atriz, como a Zarolha da novela 'Gabriela', ou Amanda, em 'O astro' e a Darlene de 'Eu prometo'. Em 1988, um ano antes de sua morte, Dina esteve no Fantástico para recitar um poema de Fernando Pessoa. Dez anos antes, também no Fantástico, Dina se definiu assim: "Às vezes eu sirvo como espelho. Às vezes eu me sinto como um vidro transparente. As pessoas também veem o que elas querem ver. Não o que eu quero". Para lembrar as duas décadas sem Dina Sfat, na próxima quinta-feira será aberta no Centro Cultural Justiça Federal, no Rio de Janeiro, uma exposição sobre uma das maiores atrizes brasileiras de todos os tempos. A mostra reúne figurinos e fotografias de personagens vividos pela atriz em quase 30 anos de carreira. São tantas imagens que viraram também um livro que será lançado no próximo dia 26. "

(Retirado do site globo.com)






Um comentário:

Carlos Barros disse...

Era uma das mais enigmáticas e lindas atrizes da TV brasileira.
Gostava de vê-la, mesmo que ainda criança.

O texto é um belo presente.